Porque vacinar é importante!!!!

 

Algumas das dúvidas mais comuns que recebo sobre a neonatologia são principalmente em relação as práticas de manejo que incluem a vacinação, vermifugação e o casqueamento (quando iniciar e qual o intervalo de repetição). Quero iniciar dizendo que todas estas práticas de manejo, mas em especial, a vacinação deve ser instituída com as diretrizes do seu veterianário associado ao que o proprietário mais relata, nada melhor que um trabalho conjunto para podermos identificar as doenças endêmicas da região, haras ou propriedade.

Também é importante avaliar a rotatividade dos animais existentes na propriedade, e por isso mais uma vez falo sobre a importância das setorizações das propriedades. Em relação a vacinação, instituímos o manejo desde as éguas prenhas, como já falei anteriormente em alguns posts (5, 7 e 9° mês herpesvirus e 10º mês uma polivalente), já nos potros iniciamos a vacinação partir do 4 mês de vida fornecendo o reforço após 21 dias. Lembrando que aproximadamente com 5-6 meses de vida, será a idade em que iremos aparta-los e como está fase pode ser um período de estresse, muitas vezes diminui a imunidade dos potros, estes já estarão vacinados contra as enfermidades mais comuns: influenza, encefalomielite, tétano e rinopneumonite (principalmente tipo-4, respiratório) e anti-rábica. Potros que desde novos 2-3 meses, apresentam secreções nasais serosas e que em pouco tempo tornam-se purulentas, além de precisarem de atenção redobrada precisam ser reavaliados em relação a imunidade deles e do rebanho.


Na questão da vermifugação, aqui fica uma dica, tenho observado muitos casos de potros que possuem alta carga parasitaria, o que costumo associar pelo mal uso dos princípios ativos (falta de rodizio) e por dosagens errôneas (geralmente dosagens altas em relação ao peso), além de piquetes com baixa cobertura vegetal e super populosos. Nossa vermifugação é feita a partir do 1° mês de vida, tanto no potro quanto na égua, afinal de nada adianta eliminar a carga parasitológica do potro e deixar a égua contaminando o ambiente. A questão do casqueamento deixei para a próxima terça da neonatologia pois como sempre, é um extenso assunto para abordarmos.

#tati🐎