Conheça o Batalha

 

APLICABILIDADE DAS TRÊS FASES IMPORTANTES DA “NEONATOLOGIA

Hoje pensei em fazer uma postagem diferente, queria mostrar para vocês a aplicabilidade e importância de cada uma das três fases (pré-parto, parto e pós-parto) na rotina de um haras ou propriedade que possui nascimentos.

As fotos que usei nas últimas semanas não foram aleatórias, elas são um pequeno resumo da vida deste potrinho. A égua aparece na primeira foto das postagens a fase I – pré-parto, esta égua se enquadrava em todos os pré-requisitos de uma égua que poderia ter dificuldade na parição e no pós-parto (égua idosa, com síndrome do harpejamento, locomoção reduzida no último mês gestacional, ausência de sinais de lactação mesmo com a proximidade do parto – alerta total.).

Pois bem, na fase II – parto, ela não teve contração uterina adequada para completar todas as fases do parto, e desta forma necessitou da nossa intervenção. Nosso potrinho veio ao mundo através de uma pequena ajudinha, assim que retiramos a placenta que cobria o nariz dele e desobstruímos as vias aéreas, entramos na fase de observação e providencias que precisavam ser tomadas. Ele levou cerca de 3 horas para ficar em pé e após levantar, observamos que seu reflexo de sucção era anormal (sinal vermelho). Devo ressaltar que os potros nascem com uma reserva de glicose e em pouco tempo caso não mamem se tornam hipoglicêmicos, o que agrava o quadro, debilitando e reduzindo ainda mais o reflexo de sucção. Assim que literalmente o carregamos para a baia maternidade, sua mamadeira com 500 ml de colostro já havia sido descongelada e estava pronta para ser fornecida (aqui entra a importância de capacitar a equipe), ele não perdeu tempo e assim que a tomou deitou para o seu “sono regenerador”. Enquanto isso sua mãe enfrentava seu terceiro desafio, ela teve um prolapso uterino. O processo foi revertido com sucesso porém o quadro de dor instalado em éguas paridas sempre é algo a ser levado com seriedade, nesta fase já estávamos nos preparando para suprir as necessidades dele com leite pelo menos nas primeiras 24 horas (leite armazenado no nosso banco).


Hoje, vocês estão vendo o vídeo do “Batalha”, apelido carinhoso dado ao nosso potrinho com a história dele eu queria mostrar o quanto as primeiras horas de vida são primordiais porem sem a observação precoce e interferência eficaz em cada uma das fases, você pode ter um resultado completamente diferente deste.

Saber a individualidade de cada égua prenha, o histórico de gestação anteriores, sinais clínicos, comportamentos diferentes na gestação atual e determinar os padrões que você considera “normais” são indispensáveis para termos um bom resultado.

Tatiana Figueiredo Paiva
Medica Veterinária – Haras Fábio José
CRMV – SE 0924