Hemiplegia Laríngea – Cavalo Roncador

Após os problemas ortopédicos, os que mais causam prejuízos econômicos e queda da performance atlética no cavalo atleta, são os problemas respiratórios. Dentre as afecções respiratórias que acometem as vias respiratórias superiores, a principal é a Hemiplegia Laríngea. Trata-se de uma doença idiopática, ou seja, sem causa definida ou conhecida.

A Hemiplegia Laríngea é uma paralisia da musculatura da laringe, decorrente de uma lesão do nervo laríngeo recorrente, que passa no pescoço, próximo a jugular. Geralmente o nervo mais afetado é o esquerdo por ser o maior.

Com a paralisia da laringe, a abertura e fechamento das cartilagens aritenóides ficam comprometidas, e por consequente provoca uma redução no lúmen da via aérea e do fluxo do ar, aumentando a resistência durante a inspiração e queda nas trocas gasosas em nível pulmonar. Isso resulta na queda da performance durante o exercício. Além disto, a passagem do ar provocar vibração na cartilagem paralisada fazendo o cavalo roncar.

A origem desta afecção pode ser por compressão ou estiramento mecânico deste nervo ao passar pelo arco aórtico, neuropatias induzidas por vírus e bactérias (como Streptococcus equi – Agente do garrotilho), deficiência vitamínica, aplicação de injeções perivasculares ou perineurais (Injeções “fora da veia”), intoxicação por organofosforados (Amitraz), envenenamento por chumbo ou plantas, micose de bolsa gutural, neoplasias, acidentes traumáticos no pescoço e abscedação paralaríngea.

Como método diagnóstico, utiliza-se a palpação externa da laringe, para verificar graus de atrofia dos músculos intrínsecos, com ressalva que este exame oferece uma eficiência limitada em animais tensos, obesos ou com inflamação da área faringo-laringeana. Todavia é um exame que deverá ser realizado sempre, seguido pelo uso da endoscopia. Através desta, poderemos identificar e graduar a hemiplegia, que varia de grau 1 a 4, a depender da abertura e fechamento, sincronia e assimetria das cartilagens aritenóides.

O tratamento para Hemiplegia Laringea é cirúrgico. Existem vários tipos de técnicas cirurgicas, desde a reinervação da laringe, a prótese laringeana, até a ressecção parcial ou completa da aritenóide. Cabe ao médico veterinário cirurgião optar pela metodologia a ser seguida, de acordo com o caso clínico do paciente, sua rotina e experiência.