Potro desmaturo. Você sabe o que significa?

 

A definição mais importante de quem trabalha com a neonatologia é estarmos aptos a reconhecer e diagnosticar a maturidade neonatal.

Atualmente na minha classificação enquadro os neonatos na categoria saudável, prematuro ou desmaturo.

Hoje falarei um pouquinho sobre os desmaturos, que são potros que apresentam tempo gestacional correto porém comportamento anormal, porque a neonatologia equina veio nos ensinar que o tempo gestacional não exclui o indivíduo de estar pronto ou não para o parto.

Mas então Tati, qual os principais sinais clínicos que iremos observar nestes casos?

Dentre os sinais mais característicos a falta de “imprintig materno” por parte do potro é o mais acentuado (muitas vezes temos um potro “alienado” em relação a égua); em muitos casos são magros e pequenos, notamos que não estavam prontos para nascer (esse padrão fica muito claro de ser observado em criações que já instituíram um padrão em relação a alimentação de éguas gestantes adequado), orelhas, lábios e língua pendente devido a flacidez (como a potra desta foto); fraqueza pois levam mais tempo para ficarem em pé e mamarem; pelo fino e sem cor definida; “cascos com slipper Hoovers”; além de outors sinais como hiperextensão ou hipoflexão das articulações e até em casos mais graves ossificação incompleta do carpo/tarso o que muitas vezes impossibilita os mesmos de ficarem em estação.

 

 

 

 

 

 

 

 

A grande vantagem em termos um desmaturo em comparação ao prematuro, é que os desmaturos apresentam melhor função adaptativa extrauterina já que em comparação com prematros possuem um maior tempo gestacional. A taxa de sobrevida destes potros é boa, desde que sejam identificamos precocemente e submetidos ao tratamento correto.

Uma dica com eles é que vocês sempre verifiquem o nível de IgG pois geralmente são uma classe que apresentam falha e precisam de rápida intervenção e observação dobrada. #neonatologiaequina #equineneonatology

#tati🐎